terça-feira, 13 de novembro de 2012

A ciclofaixa de lazer e a democratização do asfalto

Tenho pedalado na ciclofaixa de lazer quase todos os domingos, e fiz questão de estar nela no dia 11/11/2012. Este domingo foi especial. Ele marcou a integração dos trechos paulista/centro com o trecho sul, conectando a Avenida Paulista ao Parque do Ibirapuera.

Essa conexão, além de adicionar muitos quilômetros ao percurso, viabiliza um trajeto muito amplo pela cidade, sem sair da ciclofaixa.

Eu sei que nunca houve um impedimento para que esses trajetos fossem realizados, mesmo quando não há ciclofaixa de lazer. Mas eu percebo, pela observação do público que frequenta a ciclofaixa aos domingos, que muitos estão completamente despreparados para pedalar no trânsito e não têm afinidade alguma com as bicicletas, que frequentemente são alugadas.

O espaço de lazer criado pela ciclofaixa permite que as pessoas experimentem o prazer de pedalar em um ambiente mais controlado. Lá, elas têm a oportunidade de se desequilibrar quando param nos semáforos sem o risco da proximidade com os carros. Podem pedalar sem a pressão do trânsito e se entregar simplesmente ao prazer do momento. Podem adquirir afinidade com a bicicleta e perceber a cidade sob outro ponto de vista.

A ciclofaixa propicia o lazer! Ela se presta para tirar de dentro de casa e dos apartamentos um grupo de pessoas que não tem o hábito de pedalar ou praticar atividade física. Serve para recriar um espaço que as crianças da cidade grande perderam há muito tempo. Quem sabe alguns pequeninos trocarão o videogame novo por uma bicicleta neste natal, já que possuem um espaço para pedalar todo final de semana. Quem sabe esse estímulo não vai se transformar no ponto de partida para que alguns saiam do sedentarismo absoluto e mudem suas vidas!

Mas além de tudo isso, o ponto que acredito ser o mais importante na ciclofaixa de lazer é a forma como ela obriga a cidade e a população, a pensar e a conviver com o compartilhamento do espaço público.
Os que são contrários a implantação da ciclofaixa aos domingos, por alegar que a mesma inviabiliza o trânsito da cidade, não se dão conta que somente 9% da população utiliza automóvel para deslocamento diário (dados da pesquisa de mobilidade urbana recém divulgada pela Nossa São Paulo e Ibope).

Os espaços públicos precisam ser democratizados, os outros 91% da população precisam e tem direito de usufruir da cidade. E já que as ruas asfaltadas representam uma área gigantesca, é muito adequado que nos dias não úteis, destine-se parte das ruas (este espaço público imenso) para atividades de lazer! Entendo inclusive que essa transformação dominical não deve se restringir ao uso das bicicletas. Já é comum que ruas e avenidas sejam interditadas para organizar corridas de rua, e algumas ruas de bairros são fechadas e se tornam espaços de lazer aos domingos. Mas ainda faltam espaços para os patinadores, skatistas, jogadores de futebol e praticantes de uma infinidade de outras atividades que requerem espaços amplos. Espaços que foram tomados pelo asfalto.

Vamos resgatar as atividades de lazer que fizemos em nossas infâncias. Vamos dar para nossas crianças e para nós mesmos o prazer de sentir o sol  e o vento no rosto no domingo de manhã! Vamos para o ar livre, resgatemos o nosso espaço,  movimentemos nossos corpos!







Referências: